quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Atrasados de setembro, outubro e o 13º de 2016 serão pagos até dia 27

 

O 13º de 2017 pode ser pago em dezembro. Governador garantiu que vai acertar calendário em 2018 com antecipação de royalties
16/11/2017 20:08:56
  •  
  •  
  •  

Rio - Após reunião com representantes do Movimento Unificado dos Servidores (Muspe), o governador Luiz Fernando Pezão se mostrou otimista e afirmou que irá à Brasília conversar com o presidente Temer. Segundo ele, o empréstimo de R$2,9 bilhões deve ser finalizado amanhã. A previsão é de que na próxima semana, com o aval do Tesouro Nacional, o crédito entre na conta após três dias úteis.

"Eu trabalho com a data do dia 27, o mais tardar final de novembro", afirmou o governador.

Em relação a um calendário único de pagamento para todos o funcionalismo, pauta principal dos sindicalistas que participaram da reunião, Pezão prometeu acertar o calendário em 2018. Para isso, o governo está contando com uma nova operação de crédito: a antecipação de uma parcela de US$500 milhões, de um total de US$1 bilhão em royalties do petróleo. A expectativa é de que com o recebimento da primeira parcela (US$500 milhões), o estado consiga pagar o 13º de 2017 até dezembro.

"Temos mais uma operação de crédito que vai nos dar a garantia de que em 2018 a gente vai ter um calendário unificado, a garantia de que não vamos mais atrasar mais os salários, que é uma securitização dos royalties do petróleo de US$1 bilhão, que já está autorizado", contou o governador.

"Isso nos dá a previsibilidade de manter todos os salários em dia em 2018", concluiu Pezão. Apesar das promessas, os sindicalistas não saíram tão animados com as informações. Para a maioria, o governador está fazendo uma jogada política.

"Infelizmente saímos de lá com o que foi acenado para o dia 27. Pegar empréstimo não é a melhor alternativa. Ficou muito claro que pior será em 2019, o que ele está fazendo é um arranjo para terminar o governo e passar a bola em 2019. Isso ficou bem claro", afirmou Ramon Carrera, diretor do Sind-Justiça e um dos integrantes do Muspe.