terça-feira, 21 de novembro de 2017

Procurador da Alerj trabalha em escritório de advocacia que defende Picciani

Hariman Dias de Araújo foi quem elaborou documento usado para tirar Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi da cadeia. Ele nega atuar na defesa da família Picciani.

Resultado de imagem para operação cadeia velha


Como toda Casa Legislativa, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) tem um procurador geral - alguém com saber notório na área jurídica e que é nomeado pela mesa diretora da casa. É como se fosse o advogado oficial do órgão.

Desde o início deste mandato, a vaga é ocupada por Hariman Dias de Araújo. Foi ele que cuidou da parte jurídica na elaboração do documento levado ao presidio para soltar, sem mandado judicial, os deputados do PMDB Paulo Melo, Edson Albertassi e Jorge Picciani, menos de 24 horas depois deles terem sido presos.

O RJTV apurou que Hariman também faz parte do escritório de Sérgio Mazillo, um advogado que vem defendendo Jorge Picciani nos últimos anos.


No site do escritório, constam clientes como a Fetranspor e a empresa Agrobilara, que pertence à família Picciani. As duas são alvo da operação Cadeia Velha, desencadeada na semana passada, e que levou à prisão Felipe Picciani, filho de Jorge Picciani e administrador da empresa. Na lista, está também o Comitê o Olímpico do Brasil, o COB, investigado em outra fase da Operação Lava Jato no Rio.

Sérgio Mazillo estava junto dos advogados de Picciani na sessão que decidiu pela prisão do presidente da Alerj e de outros dois deputados, semana passada. Nesta terça-feira, os desembargadores se reúnem mais uma vez e devem discutir o afastamento de Jorge Picciani, Edson Albertassi e Paulo Melo de seus mandatos, além da soltura deles sem um alvará da Justiça.

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária disse que cumpriu a determinação entregue em mãos pelo a secretário da mesa diretora, Marcus Vinícius Giglio e pelo deputado Iranildo Campos, do PSD.

A Seap informou que por se tratar de uma situação inédita no país, e por não ter orientação externa, cumpriu a determinação de soltura expressa na documentação.

Em entrevista à BBC Brasil, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, reagiu com palavras duras à decisão da Alerj de reverter a prisão dos três deputados estaduais.

“Eu entendo que essa é uma decisão lamentável decorrente de uma interpretação incorreta feita em razão da decisão do Supremo Tribunal Federal [de dar ao Senado o poder de rever medidas cautelares contra Aécio Neves], por 6 a 5, apertada maioria. Portanto, entendo que a tese dessa decisão vai voltar ao plenário. Mas eles se basearam nessa decisão para entender que os deputados estaduais têm as mesmas imunidades dos congressistas federais. Entretanto, houve, no caso federal, uma provocação do judiciário e as assembleias estaduais estão utilizando de maneira vulgar e promíscua essa decisão do Supremo sem provocação em relação ao judiciário. É uma decisão lamentável, que desprestigia o poder judiciário, gera uma sensação de impunidade e que certamente será revista pelo Supremo Tribunal Federal”, declarou o ministro.


O ministro também afirmou que a Assembleia Legislativa do Rio não poderia ter libertado os presos, sem consultar o judiciário.

“No meu modo de ver, deveria ter havido uma provocação prévia ao poder judiciário. O Ministério Público, inclusive, já ingressou com uma ação para anular essa deliberação da Assembleia do Rio de Janeiro”, destacou Fux.

Outro ponto que pode ser discutido nesta terça-feira é o fato de uma oficial de Justiça ter sido barrada na porta da Assembleia, como a TV Globo mostrou ao vivo. Ela levava um documento que determinava a participação popular, nas galerias. O repórter Paulo Renato Soares mostrou que as cadeiras foram preenchidas por funcionários da assembleia.

O vereador da oposição Flávio Serafini, do PSOL, também foi barrado, ao tentar ajudar a oficial de Justiça. A oficial só conseguiu entrar com o documento por volta das 16h, quando a soltura dos deputados estava praticamente definida.

O MP pediu a suspensão da sessão na Justiça, porque mesmo em posse do documento os deputados continuaram a votação.

O Jornal O Globo publicou nesta terça-feira que o segurança que estava na porta era Valdeci Bastos da Costa, de 51 anos. Ele é especialista Legislativo, recebe R$ 18,5 mil mensais, e é filiado ao PMDB, o mesmo partido dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi.

Sérgio Mazillo disse que não defende de Jorge Picciani na investigação em que foi pedida a sua prisão. Ele não respondeu sobre a atuação outros processos envolvendo a família do então presidente da Alerj e disse que estava na última sessão do TRF 2 como cidadão.

Hariman Dias de Araújo foi procurado pela reportagem no escritório de advocacia de Sérgio Mazillo. Por telefone, a secretária disse que ele tinha saído. Mais tarde, Hariman retornou dizendo que, desde 2010, quando assumiu a procuradoria da Alerj, não assina petição no escritório de advocacia.

A Alerj também informou que não foi o procurador da Casa Hariman Araújo e sim Rodrigo Lopes, o mais antigo da Alerj, quem assinou o parecer que liberou os deputados da prisão.

Até a publicação da reportagem, Valdeci Bastos da Costa não havia sido localizado. A assessoria da Alerj disse que o presidente em exercício na Casa, Wagner Montes, do PRB, mandou apurar os fatos envolvendo o funcionário.




Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.