domingo, 28 de janeiro de 2018

Funcionalismo estadual volta as atenções para Brasília

A ABMERJ marca presença na Reunião da FRENTE RIO, contra a Reforma da previdência.



Recentes declarações do relator da Reforma da Previdência na Câmara, deputado federal Arthur Maia (PPS-BA), sobre suas estratégias para angariar apoio de mais parlamentares à PEC 287 deixaram o funcionalismo público do país em alerta. No Rio, o Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais  marcou ontem a sua intenção de impedir o avanço da proposta no Congresso. E, assim como fez na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), à época das sessões para votar o pacote do governo Pezão, o movimento quer ir até Brasília.
Na quarta-feira, o relator deixou claro que pensa em abrir concessões para acelerar a votação. Assim, ele acredita que conseguirá a aprovação da proposta, que, entre diversos itens, aumenta o tempo de contribuição e a idade mínima de trabalhadores públicos e privados.
A União sustenta a necessidade de alterar as regras para a aposentadoria, alegando déficit previdenciário que teria fechado em R$ 182,45 bilhões em 2017. Além disso, diz que a PEC "acaba com privilégios".
Já o funcionalismo critica a medida, questiona o déficit, e reivindica que o governo implemente outras ações, como a cobrança de devedores. Esse debate foi colocado ontem na criação da Frente Rio contra a reforma.
Além de integrantes do Muspe, o encontro contou com centrais sindicais e entidades do funcionalismo federal. Eles se reunirão na segunda para criar um grupo de trabalho. Idas a Brasília, ações nas ruas e aeroportos com abordagem a deputados fazem parte da agenda.


Fonte:  O DIA