quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Quando dinheiro entrar, governo garante pagar

Expectativa é de que logo nos primeiros dias entre a última parcela do empréstimo, de R$ 900 milhões


 O ano já começa com expectativa de pagamento para o funcionalismo público estadual. Após amargar um 2017 com atrasos de salários, sem décimo terceiro e outras verbas, como o RAS, no caso da Segurança, o fluxo de caixa do governo do estado será seguido bem de perto pelo funcionalismo. A expectativa é de que logo nos primeiros dias entre a última parcela do empréstimo, de R$ 900 milhões. Com isso o governador Luiz Fernando Pezão se comprometeu a pagar os salários mensais. O décimo terceiro de 2017 será pago, segundo Pezão, com a antecipação de receitas sobre os royalties do petróleo.
"Nós temos R$ 900 milhões para receber desse empréstimo de R$ 2,9 mil, que tem um prazo de 60 dias, e nós estamos diminuindo esse prazo para dentro de janeiro. Quando entrar esses recursos, nós vamos colocar os salários em dia", informou Pezão.
De acordo com o governador, a outra operação para colocar o décimo terceiro de 2017 começa a ser feita a partir desse mês, que é a securitização dos royalties do petróleo e da dívida.
Essas duas operações devem render cerca de R$ 1 bilhão (royalties) e R$ 3,6 bilhões (securitização da dívida), segundo estimativa feita pelo economista e professor da UFRJ, Mauro Osório, que também é especialista em contas públicas. "O montante que deve entrar neste início do ano dá para pagar mais de uma folha de pagamento", avalia.

Bombeiros
O ano começará menos pesado para os Bombeiros. Isso porque na última sexta-feira, o comando da corporação pagou cinco meses do Regime Adicional de Serviço (RAS) que estavam atrasados. Os depósitos correspondem aos meses de setembro de 2016 a janeiro de 2017. Foram pagos também o extra dos serviços realizados na Olimpíada, em ações do Carnaval, do Réveillon e no Programa de Reforço Operacional nos Grupamentos (Prog), informou Mesac Eflaín, presidente da Associação de Bombeiros Militares do Estado do Rio de Janeiro (ABMERJ).
"Mais de 3.700 militares foram beneficiados pelos pagamentos realizados com o dinheiro que veio do Fundo Especial do Corpo de Bombeiros (Funesbom)", disse.
Embora o comando do Corpo de Bombeiros diga que a dívida com o RAS está quitada, Eflaín contou ao DIA que a associação recebeu muitas reclamações relativas ao valor recebido. "A associação recebeu diversas reclamações sobre valores divergentes, bem abaixo, do que os militares esperavam receber, e a principal reivindicação deles, quanto a isso, é saber onde reclamar, ter acesso ao número exato de horas e aos valores devidos", diz.
Eflaín conta que a decisão do comando da corporação em destinar os R$ 9,5 milhões do Funesbom foi apoiada pela associação, que vai entrar na Justiça contra as perdas devido ao atraso no pagamento do 13º salário. "Recebemos o décimo de 2016, com um ano de atraso, e estamos preparando uma ação na Justiça, para cobrar do governo os juros para PMs e bombeiros, já fizemos a conta e cada Militar, teve uma perda de aproximadamente 10% em um ano", adverte.


Fonte:  O DIA

2 comentários:

  1. Bom dia! Quanto a outro direito aprovado em 2014, que se refere ao nosso aumento até 2019. Será que o boi lambeu, ou Fevereiro receberemos com reajuste referente a inflação anual.

    ResponderExcluir
  2. POLICIA MINAS R.N E.S SÃO UNIDAS E RJ NÃO? QUE VERGONHA. OS SEU DECIMO 2017 JÁ ERA..................................
    JUNTOS SOMOS FORTES,,,,,,,,,,,,,,.............

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.