quinta-feira, 1 de março de 2018

TJ marca julgamento para definir se haverá votação de impeachment de Pezão na Alerj

Publicação da data ocorreu no último dia 19. Autores alegam que arquivamento não pode ser decidido exclusivamente pelo presidente da Casa.

Pezão durante a cerimônia de posse na Alerj (Foto: Reprodução/TV Globo)



Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ) marcou para o dia 5 de março o julgamento que define se a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) deve votar um dos pedidos de impeachment contra o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e o vice, Francisco Dornelles (PP).


Na sessão, os juízes vão decidir se acolhem a ação que pede para o impeachment ser votado pela Mesa Diretora da Alerj. O rito normal indica que a mesa mande o tema para o plenário ou o arquive. De acordo com a ação, entretanto, se a mesa pedir o arquivamento do impeachment, ele deve mesmo assim ser submetido ao plenário — com todos os 70 deputados.


O julgamento foi marcado no último dia 19. O G1 pediu um posicionamento ao governador, mas ele informou que não vai comentar o assunto através de sua assessoria de imprensa.


Ao todo, foram mais de dez pedidos de impedimento contra Pezão — dentre os autores, Flávio Bolsonaro, PSOL, PSDB e Muspe. Oito deles foram arquivados pela presidência da Assembleia, que na época ainda era ocupada por Jorge Picciani (PMDB), afastado do comando da Casa depois de ser preso na Operação "Cadeia Velha".


Os autores do pedido que será julgado no TJ são membros da bancada do PSOL. Conforme a ação, o regimento da Alerj estabelece que a presidência da Casa não pode tomar a decisão de forma monocrática, e que é preciso recorrer à Mesa Diretora. Fazem parte da Mesa 12 deputados, quase todos da base aliada do governador.



"Não se pode admitir que a Mesa Diretora do Parlamento Estadual continue atuando de forma monárquica, sem transparência, sem prestar contas a ninguém, descumprindo ritos regimentais claros", diz um trecho da ação.



TJ determinou instalação de CPI



Recentemente, a oposição na Alerj obteve outra vitória na Justiça. O próprio Tribunal de Justiça determinou, em dezembro, que fosse instalada a CPI dos Transportes, após uma disputa judicial. A Comissão Parlamentar obteve, inicialmente, as assinaturas para começar as investigações.



No entanto, seis dos apoiadores retiraram as assinaturas com corretor líquido. A Justiça, no entanto, compreendeu que os nomes não poderiam ter sido retirados e determinou o início dos trabalhos em 48 horas. Setenta dias depois, enfim, a CPI dos Transportes se reuniu pela primeira vez.



Fonte:  O DIA

Um comentário:

  1. Alguém acredita mesmo q isso dará em alguma coisa? Balela. Pelo amor de Deus. Estamos entregues a bandidos em todas as esferas ( legislativo executivo e judiciário). Um escondendo a sugeria do outro. E nós pagando a conta dessa roubalheira desencadeada. Juízes recebendo 200 mil por mes. Deputado com 20 inquéritos na justiça. Governador que só não é preso por que tem imunidade. Deputados e ex governadores na cadeia. E nós sem um mísero décimo terceiro salário. Incrível como nosso MPE é inoperante. Não faz a Lei ser cumprida. Talvez nossos promotores não saibam ler. Pq não precisa ser bacharel pra saber que pezão seus secretários e 80% da ALERJ deveriam estar presos. Mas como no Brasil é assim no RJ não seria diferente. Viva a democracia.

    ResponderExcluir

"O Estado não tem poder algum sobre a palavra, as idéias e as convicções de qualquer cidadão dessa República e de profissionais dos meios de comunicação social." (Ministro Celso de Mello - Supremo Tribunal Federal) - Se identifiquem por gentileza, comentar não é crime!MUITO IMPORTANTE: O foco do movimento é a DIGNIDADE. E é para esse objetivo que o blog existe. Por isso, comentários que não compartilhem do mesmo objetivo poderão ser removidos. Não podemos publicar ofensas! Não insista! Defenda sua ideia ou crítica de forma respeitosa.